ERP’s nas 1.000 Maiores Empresas Brasileiras - Parte 2

Análise por Tipo de Atividade

Leopoldo Barros

Introdução

Para ajudar a melhor entender o mercado brasileiro de ERPs procurei, elaborar um levantamento dos sistemas instalados nas empresas brasileiras, definindo um universo de empresas muito representativo, que pudesse representar parcela significativa do mercado brasileiro, o qual segmentei pelas dimensões de análise que entendi mais relevantes.

O universo escolhido foi o das 1.000 maiores empresas brasileiras, atualizado anualmente pela Revista Exame, da Editora Abril, considerando a edição de 2015.

Levantei os dados foi com o auxílio de profissionais que trabalham com os fornecedores brasileiros de ERP, e com seus parceiros. Não obtivemos as informações de todas as mil empresas do universo pesquisado, mas o número de empresas faltantes é pequeno, e não prejudica as conclusões do levantamento.

ERPs Considerados no Levantamento

Consideramos neste levantamento os seguintes ERPs:

SAP, e também os produtos All in One e Business One, embora a presença do Business One no universo estudado seja praticamente nula.

Totvs, com os produtos Protheus (da antiga Microsiga), EMS (da antiga Datasul), Logix (da antiga Logocenter) e RM (da antiga empresa do mesmo nome). Além destes produtos, consideramos alguns sistemas de aplicação específicos a um setor de atividade (Industry Solution), quando funcionando como ERP (sistemas para aplicações hospitalares, educacionais, de supermercados, outros).

Oracle, com os produtos EBS, J.D. Edwards e Peoplesoft.

Sênior, com o produto Sapiens.

Microsoft, com os produtos Dynamics e Navision.

IFS, com o produto IFS.

 

Para os demais ERPs, não fornecidos pelos fornecedores acima, consideramos, os grupos que chamamos de:

Industry Solution, que engloba os produtos que atendem a um segmento específico, mas que executam também as funcionalidades de um ERP tradicional e são usados também como tal. As soluções para hospitais, escolas, cooperativas agrícolas, operadoras de saúde, lojas de varejo, supermercados, e outros, se enquadram nesta classificação.

Outros, englobam os ERPs de fornecedores não considerados acima, por serem numerosos e terem parcelas de mercado menores que os anteriormente citados. Como outros citamos fornecedores como Infor, Benner, CIGAM e outros.

Consideramos, também, os sistemas com as funcionalidades de ERP desenvolvidos internamente pela empresa usuária ou por empresa por ela contratada. A estes sistemas denominamos “Próprios”.

Quando não obtivemos, para alguma empresa da lista das 1.000 maiores, a informação sobre o ERP implantado, denominamos Não Identificados.

Dimensões escolhidas

As dimensões que consideramos, dentro das 1.000 maiores empresas de 2015, são: faixa de faturamento, tipo da atividade, tipo de controle de capital e região sede.

Dividimos as empresas em 5 grupos, por faturamento, considerando o grupo das 200 maiores e os grupos da 201 a 400, da 401 a 600, da 601 a 800 e da 801 a 1.000.

As demais dimensões serão analisadas em outras edições de levantamento.

 

Mercado por Tipo de Atividade

 

Das atividades consideradas na amostra, a mais concorrida é a Indústria, com 447 empresas, quase metade do universo pesquisado.

A distribuição de ERP nestas 447 empresas é apresentado na tabela abaixo:

A SAP lidera o mercado de ERP para as empresas Industriais (66.7 %) com maior vantagem do que apresentou no mercado total das 1.000 maiores (55,6 %).

A Totvs é a segunda colocada neste mercado (15,0 %), com uma parcela muito próxima a que ocupou no mercado total, apenas um pouco inferior (15,9 %).

A Oracle tem no setor Industrial (7,6 %) presença inferior à que possui nas 1.000 maiores (10,0 %).

A exceção da Sênior, que possui parcela maior no mercado Industrial do que nos outros mercados, todos os demais fornecedores, ou grupos de fornecedores, apresentaram menor parcela de mercado na Indústria do que no total.

Particular destaque vemos para a Industry Solution que apresentou parcela de mercado na indústria (1,1%), muito inferior a que apresentou para o mercado total considerado (5,5%).

Os fornecedores de Industry Solution só ofereceram soluções para a indústria nos setores de Confecções e de Alimentos. Mesmo estas empresas, que somam 5, são indústrias que têm características diferenciadas. As Confecções consideradas atuam também no varejo e adotam ERPs voltados mais para o Varejo do que para a produção, e as indústrias de Alimentos também são Produtoras Agrícolas e adotam sistemas desenvolvidos para controlar as suas atividades agrícolas.

Portanto, percebemos que os principais ERPs atendem muito bem às necessidades do setor industrial, que recorre pouco aos fornecedores de Industry Solution, bem como desenvolve pouco por conta própria. Além disso, o setor Industrial foi o que apresentou menor dificuldade para identificar a solução de ERP adotada.

 

O segundo setor de atividade em nosso levantamento foi o setor de Serviços com 193 empresas. O setor de serviços, em 2015, englobou diversos tipos de empresas, como: Infraestrutura (concessões), Logística, Saneamento, Saúde, Educação, Alimentação, Contact Centre, Financeiros, Meios de Pagamento, Editorial, Manutenção & Limpeza, Hotelaria, Turismo, Informações de Crédito e Profissionais.

Este segmento é muito mais heterogêneo que o Industrial e apresenta resultados muito diferentes, como vemos na tabela abaixo:

Embora os 3 primeiros ERPs do segmento de serviços sejam os mesmos e na mesma ordem do apresentado no levantamento completo, a SAP tem uma participação muito menor (55,6 % x 35,8%).

A Totvs e a Oracle superam sua parcela de mercado média neste segmento, mas Industry Solution alcança aqui um destaque maior: 11,9 % do mercado contra 5,5 % do total. Isto devido à maior importância de soluções deste tipo para empresas de Serviços de Saúde, Educação e de Contact Centre, que são importantes na formação do setor de Serviços.

Também para sistemas que classificamos como Outros, ou seja, para aqueles de menor parcela de mercado, o setor de Serviços foi mais demandante que a média de mercado, com 9,3 % x 4,5 %. Estes ERPs de menor presença foram encontrados em empresas de Serviços de Saúde, Educação, Logística e Saneamento.

Também foi neste segmento que registramos a maior parcela de ERPs não identificados.

 

O terceiro segmento de atividade foi o de Comércio Varejista, com 141 empresas.

Consideramos Comércio Varejista a atividade comercial em que o cliente vai até o estabelecimento comercial buscar o produto desejado, diferenciando do Distribuidor de Produtos, que vai até o cliente entregar o produto desejado.

A divisão deste mercado entre os diversos ERPs pesquisados foi a abaixo demonstrada:

Consideramos no setor de Comércio Varejista as empresas tipo Supermercados, Lojas de Departamento, Farmácias, Lojas de Materiais de Construção, Livrarias, Mercearias, Revendedores de Máquinas e Equipamentos, Concessionárias de Veículos, Postos de Combustíveis, Lojas de Eletroeletrônicos, e outras.

A SAP também é líder entre as empresas de Comércio Varejista, com parcela de mercado de 51,8%, bem inferior à da indústria (67,6%), inferior à sua média (55,6%), mas bastante superior à de Serviços (35,8%).

A Totvs teve participação de mercado (13,5 %) inferior à sua média (15,9 %) e inferior as de Indústria e Serviços.

A Oracle possui maior parcela de mercado em Varejo (11,3 %) do que à sua média (7,6 %), superior à da Indústria, mas inferior à de Serviços.

O setor de Comércio Varejista absorveu várias soluções tipo Industry Solution, atingindo parcela de mercado próxima a 10 %.

Como as soluções desenvolvidas internamente também ocupam parcela razoável (5,7 %), vemos que para o setor Comércio Varejista o ERP não é uma solução tão aderente como o é para a Indústria.

 

O quarto segmento de atividade neste levantamento foi o de Distribuição, com 84 empresas.

Consideramos neste segmento de atividade empresas Distribuidores de: Energia Elétrica, Óleo & Gás, Produtos Siderúrgicos, Produtos Químicos, Insumos Agrícolas, Alimentos, Medicamentos, Automotivos, Produtos de Higiene & Limpeza, Software, Bens de Capital, e outros.

Neste segmento, alguns distribuidores agregam valor aos produtos distribuídos, em operações simples como fracionamento, acondicionamento, mas também executando operações mais complexas e customizadas. Nestes casos, o distribuidor pode executar também operações industriais.

A distribuição dos ERPs no segmento Distribuição é apresentada abaixo:

A SAP apresenta neste segmento sua maior parcela de mercado, superior inclusive a da Indústria. Os distribuidores de Óleo & Gás, de Energia e de Produtos Agrícolas impactam muito favoravelmente nesta participação de mercado.

Tanto a Totvs quanto a Oracle têm participações muito pequenas neste segmento, bem inferiores às suas médias de mercado. Apenas as soluções desenvolvidas internamente superam sua média, mas esta situação é causada por um único Grupo Empresarial que tem várias empresas distribuidoras relacionadas neste levantamento.

 

O quinto segmento de atividade deste levantamento é o das empresas Digitais, com uma participação de 55 empresas.

Consideramos como “Digitais” as empresas de: Telecomunicações, Rádio & Televisão, Hardware Profissional, Hardware de Consumo, Software, Processamento de Dados, Datacenter, Serviços de Desenvolvimento & Manutenção de Software, e outras.

A distribuição dos ERPs neste segmento de atividade é mostrada na tabela abaixo:

A SAP detém parcela neste segmento de mercado (56,4%), muito próxima à parcela obtida em todo mercado pesquisado (55,6 %).

A Oracle supera neste segmento (20,0 %) a parcela de mercado que detém no mercado pesquisado (10,0 %).

A Totvs está neste segmento (10,9 %) muito abaixo da parcela que detém em todo mercado (15,9 %).

Soluções desenvolvidas internamente, sistemas próprios, que poderiam ser maiores neste segmento porque inclui desenvolvedores de software, não apresentam presença relevante, apenas 5,5% no segmento contra 4,5 % do mercado total.

Soluções Microsoft são usadas especialmente por empresas associadas à Microsoft.

A presença dos demais ERPs é praticamente nula neste segmento.

 

Os demais segmentos, Construção e Agrícola, possuem 40 empresas cada.

O segmento de Construção inclui empresas de Construção Pesada e de Edificações, onde das 15 maiores, 14 são de Construção Pesada.

A distribuição de mercado pelos ERPs no segmento de Construção é mostrada na tabela abaixo:

Este é o único segmento neste levantamento em que a SAP não lidera, perdendo para a Totvs por uma vantagem significativa.

A Totvs está presente em mais de 50% das empresas do Setor, enquanto a SAP em apenas 22,5%. Esta superioridade é mais presente nas empresas de Construção Pesada do que nas empresas de Edificações.

A Oracle aparece na terceira posição, com 15 % do mercado contra 10 % que possui no mercado total levantado.

IFS com duas empresas e Mega e Procenge, que consideramos como Outros Fornecedores, com uma empresa cada uma, completam o segmento.

 

No segmento Agrícola, a distribuição do mercado é apresentada na tabela abaixo:

Neste segmento consideramos as empresas que se dedicam à Produção Agropecuária, como Cooperativas, Corporações & Empresas Agrícolas, Produtores de Grãos, café, cana, sementes, citros e gado.

Empresas que industrializam produtos agrícolas, como Usinas de Açúcar & Álcool, Indústrias de Óleos e Farelos Vegetais, de Cafés Torrados & Moídos, de Suco de Laranja, bem como Frigoríficos, estão considerados em no segmento Indústrias e não neste extrato.

A SAP é líder também neste segmento, embora com participação bem menor (32,5%) que sua média de mercado (55,6 %). A SAP está presente em grandes Corporações Agrícolas (Grupo Amaggi, Algar, outras) e em algumas grandes Cooperativas (C. Vale, Comigo, Copacol e outras).

Importante presença neste segmento são as soluções Industry Solution, como Datacoper e outras menores que ocupam uma participação de mercado de 22,5%.

Considerando que soluções de desenvolvimento próprio ocupam mais de 10% deste Segmento, a soma dos softwares Industry Solution com os desenvolvidos internamente iguala a participação da SAP neste mercado, o que caracteriza que este Segmento não adotou os ERPs padrões.

A participação da Totvs neste Segmento é inferior (12,5 %) à que ela tem em média no mercado total (15,9 %) e a da Oracle (2,5 %) é muito pouco relevante.

A Totvs, no entanto, tem soluções que ocupam muito bem o mercado Agrícola de Cana, o que não é refletido em nosso levantamento. Seu produto PIMS é líder no controle de Produção de Cana no Brasil, mas é utilizado por Companhias Agrícolas, componentes de grupos empresarias produtores de Açúcar & Álcool, que não aparecem nas 1.000 maiores empresas consideradas em nosso levantamento.

Os grupos controladores destas Companhias Agrícolas utilizam ERPs (SAP, Totvs, Oracle, outros) que operam integrados às soluções agrícolas utilizadas para controle da produção de cana, a maior parte delas providas pela Totvs, além de outras, como GATec ou desenvolvidas internamente. Não consideramos as utilizações específicas em nosso levantamento uma vez que as atividades contábeis e financeiras destas empresas são feitas pelos seus ERPs, estes sim foco deste levantamento.

No setor Agrícola não conseguimos identificar ERPs de quatro empresas, o que representou 10 % do Segmento. Esta parcela foi a mais representativa dentre todos os segmentos levantados, o que não nos surpreende, uma vez que este segmento é o que apresenta maior dispersão geográfica das empresas, dificultando a busca de informações.

 

Enfim, resumindo a utilização de ERPs pelos diversos tipos de Segmentos de Mercado, vemos que:

  • Indústrias e Empresas de Distribuição são os maiores usuários de SAP e os maiores usuários de ERPs tradicionais;

  • Agrícola é o segmento que se mostrou menos aderente à utilização de ERPs, onde a utilização de Industry Solution é muito alta, bem como de sistemas desenvolvidos internamente, e também de ERPs “menores”. Também é o segmento em que o maior número de empresas não teve o seu ERP identificado;

  • Serviços é um segmento também não muito aderente aos ERPs tradicionais, onde Industry Solution, desenvolvimento interno e ERPs de fornecedores menores apresentam participações mais relevantes do que as médias apresentadas no universo completo;

  • Construção é o único tipo de atividade em que a SAP não lidera, perdendo a liderança para a Totvs;

  • Digital tem presenças fortes de SAP e Oracle e presença menos relevante da Totvs e dos demais fornecedores;

  • Comércio Varejista também não é muito aderente aos ERPs tradicionais, adota Industry Solution e sistemas desenvolvidos internamente.

 

Os resultados para as 1.000 maiores podem ser vistos na tabela abaixo:

 

 Confira o artigo completo aqui.

 

Gostou do artigo?

 

 

 

 

 

 

 

Desenvolvido por Code Tecnologia